Postagem em destaque

Helder deve ser julgado nesta quinta-feira pelo TRE

Ministro é acusado de abuso de uso indevido dos meios de comunicação O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho (PMDB), dever...

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Única escola estadual de Aveiro nem concluiu o 1º bimestre

Única escola estadual de Aveiro nem concluiu o 1º bimestre
Escola Eduardo Angelim está 
em condições precárias
Alunos da única escola estadual de Aveiro, município localizado no oeste do Pará, ainda não conseguiram concluir nem o primeiro bimestre letivo. As aulas na rede estadual iniciaram em abril, mas na escola Eduardo Angelim, as aulas mal foram retomadas e já paralisaram.

Os motivos foram as condições precárias na instituição de ensino. Segundo os pais de alunos, havia ratos, baratas, morcegos e outros animais que poderiam comprometer a saúde dos estudantes.

Em agosto, quando deveria iniciar o 3º bimestre, nem o primeiro bimestre ainda tinha sido concluído, o que deve prejudicar o ano letivo de 2014.

Outro problema apontado foi a falta de funcionários, inclusive, de direção. Na semana passada, os pais de alunos fizeram um protesto reivindicando a melhoria das condições da escola, bem como a contratação de servidores e o reinício das aulas.

Segundo o coordenador do Sindicato dos Trabalhadores da Educação Pública no Pará (Sintepp) de Aveiro, Silvane Costa, que também é coordenador do Conselho Escolar da escola Eduardo Angelim, o governo do Estado demorou muito a tomar providências. “Se passou todo o mês de junho, julho e agosto, verificamos que a situação estava muito mais do que caótica, sem as mínimas condições, estávamos sem água desde dezembro de 2012 na escola”, afirmou.

A mãe de uma ex-aluna afirmou que a filha concluiu o ensino médio há dois anos e não recebeu certificado, pois não havia ninguém na escola para resolver a situação. “Ela quer sair pra estudar, mas como que vai estudar sem certificado? Fomos na escola, não há diretor, ninguém resolve nada”, reclamou.

De acordo com a 5ª Unidade Regional de Ensino (5ª URE), na escola há três professores efetivos e dois contratados. O problema de falta de diretor só demorou a ser resolvido, de acordo com a diretora da 5ª URE, Glória Maria, porque não havia pessoas que estivessem dispostas a morar no município, mas que um diretor interino que mora em Aveiro foi nomeado. Não há previsão para reforma, mas uma limpeza está sendo feita na escola e, assim que for concluída, as aulas serão retomadas. A diretora explica que os professores contratados foram exonerados em março por causa do encerramento do contrato. Ela garante que o problema de entrega de certificado será resolvido. “Agora temos uma pessoa interina respondendo pela escola. Toda e qualquer procura tem que ser direcionada a direção. Se não for resolvido, eles [pais de ex-alunos] podem vir a Santarém que a gente está para atender e resolver as questões", afirmou a diretora da 5ª URE, sem saber responder a quantidade de alunos que estudam na escola Eduardo A
ngelim.

Fonte: No Tapajós
Reações:

0 comentários: