Postagem em destaque

Helder deve ser julgado nesta quinta-feira pelo TRE

Ministro é acusado de abuso de uso indevido dos meios de comunicação O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho (PMDB), dever...

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Força Nacional Mediara conflito entre Índios e Brancos

Pedágio deve voltar à rodovia no dia 10 de janeiro, segundo indígenas (Foto: Larissa Matarésio/G1)

Ministério da Justiça não descarta prorrogar permanência após período.
Região registra conflitos com indígenas desde dezembro de 2013.


Vista aérea do município de Humaitá, no Amazonas (Foto: Divulgação/54º BIS)Força Nacional atua em conflitos Humaitá, no Sul do Amazonas desde dezembro (Foto: Divulgação/54º BIS)












O Ministério da Justiça determinou a permanência da Força Nacional de Segurança Pública (FNSP) por mais 90 dias em Humaitá, município do Sul do Amazonas a 590 km de Manaus. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União (DOU), nesta segunda-feira (13). Desde o fim do ano passado, a região registra conflitos entre indígenas e não-índios, após o desaparecimento de homens na BR-230 (Rodovia Transamazônica). A população suspeita que índios da etnia Tenharim estejam envolvidos no sumiço.
A Força Nacional auxilia o Departamento de Polícia Federal nas ações de segurança pública desencadeadas no Amazonas desde o dia 27 de dezembro de 2013. O efetivo da FNSP foi autorizado a permanecer por mais dias em Humaitá para atuar em ações de polícia ostensiva, na integridade física das pessoas e do patrimônio. O período começou a contar a partir da data de publicação da portaria.
Segundo a portaria assinada pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a atuação e o número de policiais a ser disponibilizado obedecerá ao planejamento em conjunto entre os órgãos envolvidos: Polícia Federal, Exército, Polícia Civil e Polícia Militar do Amazonas. O prazo do apoio prestado pela FNSP poderá ser prorrogado, se necessário, conforme parecer doMinistério da Justiça.
Conflitos
A região onde a reserva Tenharim está localizada é palco de conflitos desde o dia 25 de dezembro, após o desaparecimento de três pessoas. Luciano Freire, Aldeney Salvador e Stef Pinheiro sumiram no dia 16 de dezembro, supostamente nas proximidades da reserva. Peças de um veículo foram encontradas no início de janeiro deste ano, mas os três homens não foram localizados e as buscas pelos desaparecidos continuam.
Em dezembro de 2013, moradores da região atearam fogo em bens da Fundação Nacional do Índio (Funai) e da Fundação Nacional de Saúde (Funasa). Após o início dos conflitos, 143 indígenas foram abrigados no 54º Batalhão de Infantaria de Selva (BIS), em Humaitá.
Ministério Público Federal no Amazonas (MPF/AM) pediu que a Funai e a União garantissem o retorno dos indígenas às aldeias e a proteção das terras. No dia 30 de dezembro, os índios voltaram para a reserva com a escolta do Exército.
Pedágio deve voltar à rodovia no dia 10 de janeiro, segundo indígenas (Foto: Larissa Matarésio/G1)Índios Tenharim relatam sofrer ameaças (Foto: Larissa Matarésio/G1)
Neste domingo (12), o governo do Amazonas divulgou que irá reforçar o envio de alimentos e medicamentos aos indígenas da região. De acordo o vice-governador, José Melo, as famílias dos homens que desapareceram na Rodovia Transamazônica também vão receber ajuda, inclusive da União. O anúncio durante reunião com as forças de segurança envolvidas na operação montada para encontrar os desaparecidos e para manter a ordem nos municípios de Humaitá, Manicoré eApuí, ambos situados na região do conflito.
Reações:

0 comentários: