quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Advogado diz que jovens são pagos para participar de protestos

Caio da Silva Souza admitiu ter acendido o artefato que matou o cinegrafista da Band durante protesto
O advogado Jonas Tadeu, que defende Caio Silva de Souza, disse à Folha na tarde desta quarta-feira (12) que o seu cliente e outros jovens recebiam pelo menos R$ 150 por cada protesto que participavam no Rio –como o da última quinta-feira (6), que resultou na morte do cinegrafista Santiago Andrade, 49, após ser atingido por um rojão.
Segundo Tadeu, o pagamento vem de um esquema, no qual estão envolvidos políticos, para promover "quebra-quebra" nas manifestações.
Caio Souza foi preso na madrugada de hoje na Bahia. Em entrevista à Globo News, ele admitiu ter acendido o rojão que matou o cinegrafista Santiago Andrade, da TV Band. À polícia, porém, ele disse que só iria falar em juízo.
O advogado enfatizou que o rapaz preso vive numa "situação miserável, não no sentido de ser um monstro, um criminoso, mas no sentido de sua situação financeira, no sentido da pobreza extrema em que ele vive."
Daniel Marenco/Folhapress
Caio Silva de Souza admitiu ter acendido o artefato que matou o cinegrafista da Band
Tadeu não citou nomes de quem teria aliciado Caio ou outros jovens, mas disse que há políticos envolvidos no esquema. Ainda segundo o advogado, os rojões, máscaras e o dinheiro são entregues por quem alicia esses jovens.
"O dinheiro era pago por um ativista, que eles não deram o nome. Mas esse ativista tem envolvimento com político, com diretórios regionais de partidos, de vereadores, deputados estaduais e senadores", afirmou o advogado àFolha, por telefone.
Ainda de acordo com o advogado, o rojão que atingiu o cinegrafista Santiago Andrade foi aceso pelos dois jovens –tanto por Fábio Raposo, conhecido como Fox, como por Caio Souza. Ele disse ainda que a dupla se conhecia apenas por apelidos em manifestações.
"Os dois acenderam juntos o rojão: um segurou, o outro acendeu e o outro [Caio] colocou no chão", afirmou.
Tadeu disse ainda que tanto Souza como Raposo conhecem a ativista Elisa de Quadros, conhecida como Sininho, 28. Ele, no entanto, não confirmou se a jovem teria informações sobre a negociação de ativistas com políticos. A reportagem tentou contato com Elisa Quadros, mas não conseguiu localizá-la.
Segundo o advogado, Souza e o tatuador Fábio Raposo, que também está preso por participação no caso, "tiveram a liberdade tomada por quem fomenta o terrorismo social". Preso na madrugada, Souza já foi encaminhado para uma penitenciária no Rio. Segundo a polícia, ele pretendia fugir para o Ceará onde ficaria na casa do avô.
Tadeu afirmou que desconhece o nome de quem é responsável por aliciar os jovens e que seus clientes sabem apenas os apelidos deles. Ele também negou que Souza e Raposo sejam adeptos à tática Black Bloc.
Ainda segundo o advogado, Souza e Raposo não têm condições financeiras de pagar um advogado, mas optou em ajudá-los porque já conhecia Raposo.
Souza admitiu, em entrevista à Rede Globo, que acendeu o rojão que atingiu o cinegrafista no protesto realizado na quinta-feira (6) no centro do Rio. Ele afirmou, no entanto, que não tinha a intenção de atingir ninguém e que pensou que o artefato era um "cabeção de nego" [um artefato que funciona como uma bomba e que não é projetado com um rojão]. 

Nenhum comentário: