Postagem em destaque

Helder deve ser julgado nesta quinta-feira pelo TRE

Ministro é acusado de abuso de uso indevido dos meios de comunicação O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho (PMDB), dever...

sábado, 8 de fevereiro de 2014

No AM, prefeito acusado de pedofilia se entrega e vai para batalhão da PM

Prefeito Adail Pinheiro conseguiu acesso à delegacia  despistando imprensa  (Foto: Reprodução/TV Amazonas)

Adail Pinheiro se apresentou às 13h30, após prisão de cinco suspeitos.
Ele está detido em batalhão, enquanto outros seguiram para penitenciária.

O prefeito de Coari, Adail Pinheiro (PRP), se apresentou por volta de 13h30 deste sábado (8) na Delegacia Geral de Polícia Civil, em Manaus, segundo informações da Polícia Civil. Ele é acusado de chefiar uma rede de exploração sexual de crianças e adolescentes no município localizado a 363 km de Manaus. Adail e outros seis foram denunciados pelo Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM) na sexta-feira (7), com pedido de prisão de seis acusados. Ele seguiu para prisão especial em batalhão da Polícia Militar. Os supostos casos de pedofilia em Coari vêm sendo revelados em reportagens do programa Fantástico, da Rede Globo, desde o mês de janeiro.
Adail Pinheiro entrou no prédio da Delegacia Geral sem passar pela imprensa. Há suspeitas de que o político tenha conseguido acesso ao local escondido em um carro do Grupo Força Especial de Resgate e Assalto (Fera) enquanto os outros cinco presos em Coari entravam na unidade a pé. Por meio de nota, a assessoria de imprensa da Polícia Civil do Amazonas informou que os advogados de defesa do prefeito solicitaram o Direito Constitucional da Preservação da Imagem e, por isso, não foi possível registrar o momento em que o suspeito compareceu à sede da Delegacia Geral.
Cinco presos chegaram em Manaus na manhã deste sábado (8) (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
De acordo com a Polícia Civil, Adail se apresentou na Delegacia Geral acompanhado dos advogados de defesa e participou de reunião a portas fechadas com uma comissão de delegados que acompanham o caso. Em seguida, o prefeito de Coari seguiu para a Cavalaria da Polícia Militar, no bairro Dom Pedro, Zona Centro-Oeste de Manaus, onde deve ficar detido provisoriamente.

Na manhã deste sábado (8), o delegado Mário Aufiero, um dos responsáveis pela operação de cumprimento de mandados, afirmou que Adail e os outros cinco presos deveriam seguir para a penitenciária Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat). Os advogados de defesa de Adail Pinheiro afirmaram que o político só se apresentaria caso conseguisse direito a cela especial no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM). O Tribunal não confirma se o desembargador plantonista expediu a liberação. A assessoria da Polícia Civil também não soube informar os motivos para Adail não seguir para o Ipat, como os outros cinco presos.
Prisões em Coari
Na manhã deste sábado (8), cinco pessoas foram presas em Coari. Todos são funcionários diretamente ligados ao prefeito Adail Pinheiro. Segundo a polícia, eles foram detidos em casa e não resistiram à prisão. O grupo foi encaminhado a Manaus em um avião do Governo do Estado e seguiu para o Ipat.
Entre os detidos estão o secretário de Terras e Habitação, Francisco Orimar Torres de Oliveira, o chefe de gabinete da prefeitura Eduardo Jorge de Oliveira Alves, Anselmo do Nascimento Santos, que seria motorista do prefeito, assessor particular Elias do Nascimento Santos, e a funcionária da Secretaria de Cultura do município, Alzenir Maia Cordeiro.
O advogado dos cinco presos, Fabrício Parente, informou ao G1 que pedirá cela especial para os três secretários detidos. Os suspeitos não falaram com a imprensa ao chegar à delegacia, em Manaus. O nome dos cinco foi revelado somente neste sábado, após as prisões.
Cinco presos chegaram em Manaus na manhã deste sábado (8) (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
Denúncias
Na Justiça do Amazonas, o prefeito possui três inquéritos policiais - relacionados a crimes de exploração sexual de crianças e adolescentes e favorecimento à prostituição - em andamento, uma denúncia já recebida pela corte, e o novo pedido, que poderá se transformar em outra ação penal contra o acusado.
Na quarta-feira (5), o TJAM apresentou um relatório com todos os processos de Adail Pinheiro em tramitação no judiciário estadual. Ao todo, 56 processos estão ativos, sendo 34 ações na Comarca de Coari e 22 processos em Manaus.
Em visita ao município de Coari nesta semana, o MPE coletou novas denúncias contra o prefeito Adail Pinheiro (PRP). Segundo o promotor responsável pelo caso, Fábio Monteiro, as supostas novas vítimas eram crianças com idade entre nove e 11 anos.
Ao G1, o promotor contou que as novas denúncias apontam crianças entre nove e 11 anos de idade como os supostos principais alvos de Pinheiro. As abordagens, de acordo com o MP, também eram feitas por servidores públicos. "Segundo vítimas e familiares ouvidos, servidores, a mando do prefeito, ofereceram diversos bens, como casas, terrenos e dinheiro em troca das meninas", revelou.
Justiça Federal
A ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência República, Maria do Rosário, disse que deve solicitar ao Ministério Público Federal que os processos que envolvem acusações de envolvimento do prefeito de Coari,  em casos de pedofilia sejam transferidos da Justiça do Amazonas para a Justiça Federal. A informação foi divulgada durante reunião com membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, integrantes do judiciário e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em Brasília, na última terça-feira (4).
Adail é suspeito de chefiar uma rede de exploração sexual de crianças e adolescentes em Coari. Além dele, foram presos o secretário de Terras e Habitação, Francisco Orimar Torres de Oliveira, o chefe de gabinete da prefeitura Eduardo Jorge de Oliveira Alves, Anselmo do Nascimento Santos, que seria motorista do prefeito, assessor particular Elias do Nascimento Santos, e a funcionária da Secretaria de Cultura do município, Alzenir Maia Cordeiro.
(*Colaborou Jamile Alves, do G1 AM).
Reações:

0 comentários: