Postagem em destaque

Helder deve ser julgado nesta quinta-feira pelo TRE

Ministro é acusado de abuso de uso indevido dos meios de comunicação O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho (PMDB), dever...

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Morre no HMI mulher que teve 80% do corpo queimado

Sildilene não resistiu e morreu por falência de órgãos
O caso teve uma reviravolta depois que o ex-marido apareceu e prestou depoimento acerca do caso, afirmando que só tomou conhecimento do incidente quando a mulher já estava internada >>> A mulher morreu, na madrugada de terça-feira (10), no Hospital Municipal de Itaituba (HMI). O ex-marido, que era apontado como suspeito, compareceu à seccional de polícia e contou uma outra versão do fato.
O incidente ocorreu na noite do último dia 03, terça-feira, no bairro Jardim das Araras, em Itaituba, Oeste do Estado. A doméstica Sildilene Xavier da Silva, de 34 anos, foi socorrida por uma equipe do Samu e encaminhada ao Hospital Municipal, depois de ter sido resgatada de dentro de um quarto em chamas.
A história contada por Sildilene encaminhava para uma suspeita de envolvimento do ex-marido dela, que prefere não ser identificado. Ela disse, no hospital, que foi agredida e que o ex-marido atirou álcool no corpo dela e ateou fogo. Sildilene teve oitenta porcento do corpo queimado e passou uma semana internada, mas, na madrugada de terça-feira, acabou morrendo por falência dos órgãos
A surpresa veio depois que o ex-marido da vítima compareceu à Seccional, acompanhado de três testemunhas e de um filho dela, que veio da cidade de Vitória do Mearim, Estado do Maranhão. O ex-marido contou uma versão completamente diferente, e que foi confirmada pelas testemunhas. O homem disse que a mulher tinha prolemas com o alcoolismo, e esse teria sido um dos motivos da separação. O ex-marido também disse que tomou conhecimento do fato quando a mulher já estava internada
A testemunha, um jovem de dezessete anos, que também pediu para não ser identificado, contou que também ajudou no resgate, mas conhecia a mulher há pouco tempo. Ele conta, ainda, que sentiu o cheiro de fumaça, mas não deu atenção, mas a fumaça ficou mais intensa. Foi quando o incêndio foi percebido por populares, que arrombaram a porta para salvar a vida da mulher. "Eu mesmo arrombei a porta, e o fogo já estava no corpo dela. Nós retiramos ela de dentro do quarto e chamamos a ambulância", resumiu.
O corpo de Sildilene Xavier da Silva foi encaminhado para o Centro de Perícias Renato Chaves para procedimento de necropsia. Em seguida, foi levado pela família para o Estado do Maranhão. 
Fonte: Tapajós em foco - Mauro Torres.
Reações:

0 comentários: