sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Governo do Estado quer vender aquífero Alter do Chão.

Jatene quer privatizar Cosanpa e pesquisador alerta sobre o interesse de grandes corporações no controle das reservas de água doce

Jatene quer privatizar Cosanpa e pesquisador alerta sobre o interesse de grandes corporações no controle das reservas de água doce do mundo
Antônio Carlos Tancredi, natural do município de Juruti – Pará, professor e pesquisador que trabalhou para importantes instituições científicas brasileiras, como por exemplo, Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social do Pará (Idesp) e Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), possui doutorado em Geologia e Geoquímica (Hidrogeologia) pela Universidade Federal do Pará. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em estudos hidrogeológicos regionais na ilha de Marajó e em pesquisas hidrogeológicas detalhadas para água mineral na região metropolitana de Belém, Marabá e Santarém (PA), Macapá (AP), São Luís (MA) e Manaus (AM).
Apesar de hoje estar aposentado, ele continua trabalhando com serviços de consultorias específicas, sendo um dos especialistas brasileiros mais influentes nos estudos e pesquisas sobre água doce. Para ele, antes de qualquer ação do homem que possa intervir drasticamente no Aquífero Alter do Chão, que ele afirma ser “o aquífero mais importante do mundo”, o estudioso orienta que tudo seja realizado com o devido planejamento.
A sinalização do Gorverno do Estado sobre uma possível privatização da Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa), além dos servidores que temem a demissão em massa, virou motivo de preocupação também para estudiosos e ambientalistas, que veem no repasse da estatal para iniciativa privada, uma forma de venda do Aquífero Alter do Chão, para grandes corporações, inclusive com a possibilidade de internacionalização, como aconteceu com a exploração do pré-sal.
Segundo Antônio Carlos Tancredi, que realizou estudos no início da década de 90, o Aquífero Alter do Chão possui extensão de aproximadamente 500 mil quilômetros quadrados. Na região de Santarém, Vila de Alter do Chão e Belterra, o estudo feito em uma área de 900 quilômetros quadrados, mostrou que o volume de água disponível nessa área é de mais de 86,55 bilhões de metros cúbicos. “Portanto, um volume colossal. Ele é um aquífero importante não somente pelo seu tamanho, mas também pela boa produção de água. A Agência Nacional de Água (ANA) fez um estudo que ainda será publicaao, sobre o Aquífero Alter do Chão em toda a região Amazônica. Provavelmente ele irá ultrapassar o Guarany, que atualmente é tido como um dos maiores do mundo”, observa o pesquisador.
Para o estudioso, o simples fato de se pensar na privatização de uma estatal que realiza a captação de água subterrânea nesta região, é motivo para fazer uma alerta relevante a toda população, bem como aos governantes.
“Atualmente a água potável está ficando casa vez mais valorizada, então, grandes companhias estão voltando suas atenções às grandes reservas de água pelo mundo. Provavelmente daqui a algumas décadas, muitas indústrias virão para nossa região por causa da água. Então, o que acontece é que água está se tornando um bem supervalorizado, e as grandes corporações querem ter o controle destas reservas. Estudos revelam que 97,5% da água no planeta é água salgada; o restante, 2,5% é água doce, deste, 1,5% estão nas calotas polares, e dos 1% restante, 70% são reservas subterrâneas, como por exemplo, a do Aquífero Alter do Chão”, acrescenta Tancredi.
FIQUE POR DENTRO: De acordo com o Rodolfo Alves Pena, a Aquífero Alter do Chão, desde 2010, é considerado o maior aquífero do mundo em volume de água disponível, configurando-se como uma importante reserva natural. O aquífero é um reservatório de água situado em regiões que apresentam solos e rochas permeáveis o suficiente para permitir a penetração, armazenamento e circulação interna da água advinda da superfície. A água é filtrada enquanto passa pelos poros existentes no relevo, o que permite a formação de nascentes, lençóis freáticos, rios e recursos hídricos com grande quantidade de água potável. Por isso, os aquíferos possuem grande relevância ambiental. O aquífero Alter do Chão é um exemplo desse tipo de forma natural. Ele está localizado em uma parte da região Amazônica, mais precisamente em partes do Pará, do Amazonas e também em um pequeno trecho do Amapá. A existência de um aquífero na Amazônia sempre foi de conhecimento dos estudiosos em Ciências da Terra, mas, em 2010, descobriu-se que suas reservas poderiam ser muito maiores do que se imaginava anteriormente, o suficiente para garantir a liderança mundial em reservas hídricas, superando com mais que o dobro de quantidade o Aquífero Guarani, o segundo colocado, embora a área de ocupação desse último seja bem superior. O Aquífero da Amazônia é do tipo misto, isto é, com características de dois tipos diferentes: uma parte superior do aquífero livre de 50 metros de profundidade e uma parte inferior do aquífero confinada em 430 metros, segundo dados do CPRM (Serviço Geológico Nacional). As rochas da região são do tipo sedimentar, predominantemente compostas por argilito e arenito, o que permite uma maior acessibilidade aos poços de água, haja vista que tais formações não dificultam a perfuração. A manutenção e sustentabilidade do Aquífero Alter do Chão na Amazônia também perpassa pela conservação da floresta. Isso porque boa parte de seu abastecimento vem da grande quantidade de chuvas existentes na região, o que ajuda a explicar o grande volume de água mesmo em uma área menor que a do Aquífero Guarani. Essa elevada pluviosidade é gerada pela umidade intensa produzida pela própria Floresta Amazônica, que, por sua vez, utiliza-se dos recursos hídricos para a realização da evapotranspiração, com o “bombeamento” da água dos solos para a atmosfera, o que se relaciona também com os Rios Voadores.
PRIVATIZAÇÃO DA COSANPA: A presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) Maria Silva Bastos informou que pelo menos dezoito Estados deverão entrar no programa do Banco de concessão dos serviços de saneamento.
De acordo com ela, além de Rio de Janeiro, Pará e Rondônia, que já haviam aderido ao programa numa etapa anterior, outras 15 unidades da Federação já se comprometeram a entrar no programa que pretende repassar à iniciativa privada os sistemas de água e esgoto, o que somaria mais de metade da população.
Segundo a presidente do banco, o programa tem o objetivo de universalizar a distribuição de água, coleta e tratamento de esgoto. Para ela, o País tem posição “vergonhosa” nesse quesito de infraestrutura em relação ao resto do mundo. Ainda de acordo com ela, o banco deve terminar nas próximas semanas um processo de seleção de consultorias que vão auxiliar no processo de leilão dessas privatizações. O banco poderá financiar até 80% dos investimentos previstos com juros subsidiados.

Por: Edmundo Baía Júnior

Nenhum comentário: