sábado, 17 de dezembro de 2016

Jô Soares realizou seu último programa na Globo

Com Ziraldo, Jô Soares agradece a anônimos e à plateia
Com Ziraldo como convidado, Jô Soares gravou o último “Programa do Jô” na tarde de sexta-feira, nos estúdios da Rede Globo, em São Paulo. O cartunista é o recordista de participações no talk show, com 24 participações ao longo de 28 anos — incluindo as temporadas no SBT.
Na plateia, convidados do humorista, da equipe do programa e da emissora. Entre os diretores presentes estavam Carlos Henrique Schroder, diretor-geral da Globo; Ricardo Waddington, diretor de Entretenimento, e Gilberto Leifert, o diretor comercial.
Jô entrou para a última de suas 14.426 entrevistas ao som de “Smoke on the water”, do Deep Purple. Junto ao Quarteto, o músico Tomate, ex-integrante da banda, como convidado especial.
Na introdução, o apresentador agradeceu a Max Nunes, morto em 2014, redator de humor com quem trabalhou durante décadas e a quem chamou de mestre. E também ao apresentador Silvio Santos, dono do SBT, onde começou o talk show.
— Graças a ele eu tive a oportunidade de fazer esse programa — disse o humorista, que também lembrou e agradeceu a Marluce Dias da Silva, diretora-geral na época de sua volta à Globo, em 2000, e ao jornalista Evandro Carlos de Andrade, diretor de jornalismo da emissora, morto em 2001.
Durante a entrevista, Ziraldo levou desenhos que fez para cartazes dos espetáculos que Jô fez no teatro, entre os quais “Um gordoidão no país da inflação” (1983), “O Gordo ao vivo” (1988) e “Um gordo em conserto” (1994).
— É muito difícil descrever essa emoção. Esse cara terminar essa fase da vida e lembrar desse amigo puxa-saco — disse o cartunista de 84 anos, que sugeriu a Jô um programa novo com eles, Luiz Fernando Verissimo e Zuenir Ventura chamado “Não confie em ninguém com menos de 70 anos”.
No último bloco, para encerrar o programa, Jô homenageou Roberto Marinho com a exibição de uma entrevista com o jornalista realizada em 2000, na sua volta à emissora.
No fim, agradeceu também às figuras anônimas que entrevistou e à plateia:
— Essas entrevistas modificaram a vida deles e também a minha. E sem plateia eu não existo — disse, emocionado.

Fonte: Extra

Nenhum comentário: