segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

TERRA TREME NO PARÁ E ASSUSTA MORADORES DA REGIÃO DE CANAÃ DOS CARAJÁS

                                           Com pouco mais de 40 mil habitantes, Canaã dos Carajás ficou assustada



"Eu pensei que era explosão na mina do Sossego ( projeto de cobre explorado na região pela Vale) pois moro perto e sempre sentimos quando detona os explosivos. Mas, mas como esse, ainda não tinha presenciado". O relato é da professora Maria Cleonice Rocha, de Canaã dos Carajás, no sudeste do Pará, onde ontem, por volta das 11 horas, ocorreu um fato raro na região: um terremoto, de magnitude 3,8 na escla Richter, segundo registrado pelo sismógrafo da Universidade de São Paulo (USP).

Muitos moradores perceberam que havia algo de anormal na cidade, mas como terremotos são raríssimos no Pará, só tiveram ideia do que aconteceu quando houve confirmação científica da USP. Apesar da preocupação generalizada logo que a notícia foi divulgada, a escala Richter considera sismos abaixo de 5.5 como incapazes de gerar grandes danos materiais.

O blog Pebinha de Acúçar, único da região a registrar o sismo, relata depoimentos como o da dona de casa Zenaide Alcântara, que ficou muito assustada no momento do tremor: "foi muito rápido, mas eu senti o chacoalhão na hora do almoço. Um copo caiu de cima da mesa e quebrou". 

Na mina do Sossego, operários da Vale também sentiram pequenos abalos e ficaram amedrontados, apesar de estarem acostumados com as explosões das rochas na área para extração do minério. Na hora do tremor, muita gente que percebeu o abalo foi para as redes sociais perguntar o que estava acontecendo.

Walberson Barros, que mora perto da mina do Sossego, disse que depois de sentir o abalo sísmico ficou em observação para saber se haveria alguma detonação de explosivos, mas nada ocorreu. "Foi aí que eu imaginei que era um tremor de terra, mas como isso nunca tinha ocorrido por aqui deixei por isso mesmo", resumiu Barros.

Segundo o empresário Arildo Néres, ele e seus familiares estavam em uma chácara próximo ao rio Parauapebas e sentiram "um abalo muito forte". Todos ficaram assustados. O servidor da Universidade Federal do Pará (UFPA) na região, Clebson Araújo, relatou também ter sentido o tremor de terra.

"Eu estava na Vila Bom Jesus, próximo à mina do Sossego, e fiquei com medo. Até pensei que fossem as bombas que o pessoal da mina usa e que afetam a vila",declarou Araújo. 

Belém já tremeu

No começo da década de 70, Belém sofreu um pequeno abalo sísmico, mas que deixou muitos moradores assustados, principalmente quem residia no centro da cidade, onde o impacto foi mais sentido em prédios como o edifício Manoel Pinto da Silva, na época o mais alto da região Norte, com 25 andares.

Os jornais do dia seguinte registraram depoimentos de pessoas que relataram ter percebido portas e janelas tremerem e algumas que precisaram de atendimento médico. Mas nenhuma rachadura foi encontrada em prédios ou residências nos bairros onde o impacto foi mais sentido. Tudo não passou apenas de um grande susto. O tremor foi considerado por especialistas como de baixa intensidade.

Sete tremores, ano passado

O Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB) registrou em 2015 sete tremores de terra no Pará com magnitudes tida como "moderadas".  Não chegaram a ser terremotos, propriamente ditos, como também ocorreu ontem em Canaã dos Carajás, mas uma acomodação de terras em locais mais profundos da superfície. 

Um desses tremores ocorreu em São Félix do Xingu, no dia 12 de abril, mais precisamente às 1h24, com o epicentro próximo ao centro da cidade, com magnitude de 1,9 na escala Richter.  O maior tremor de terra ocorreu em Santa Maria das Barreiras, com magnitude de 2,7 graus, no dia 16 de março. No mesmo mês, outro evento sísmico foi registrado na cidade de Rurópolis, com tremor de 2,3 graus na escala Richter.

 Além do tremor em São Félix, outro considerado como mais ‘fraco’ aconteceu em Itaituba, com 1.9 grau, fenômeno observado no dia 19 de janeiro. E no mesmo dia a terra tremeu em Rio Maria, onde houve registro de 2,4 graus.
Segundo o portal Na região Norte, o município de Feijó, a 344 quilômetros da capital do Acre, Rio Branco, registrou o tremor mais forte da região Norte, com 4.6 graus da escala Richter. 

Além do Pará e Acre, Tocantins e Amazonas também registraram terremotos, segundo o Observatório Sismológico da UnB. Por serem abalos inferiores a 3,5 graus, raramente foram notados nas regiões citadas acima. Os que oscilam entre 3,5 a 5,4 graus geralmente são percebidos, mas raramente causam danos. 

Segundo os especialistas na área, os estragos só começam a ser sentidos a partir dos 5,5. Os tremores registrados entre 5,5 e 6 graus são suficientes para arrasar qualquer edifício com situação bastante precária. Já os eventos entre 61, e 6,9 graus destroem áreas de até 100 quilômetros de raio. O terremoto que devastou o Nepal, no Sul da Ásia, no último final de semana teve magnitude de 7,8. 

Treme, treme

Redenção - 18/01 - Magnitude 2,4 graus
Rio Maria - 19/01 - Magnitude 2,4 graus
Itaituba - 19/01 - Magnitude 1,9 graus
Santa Luzia do Pará - 20/01 -Magnitude 2,7 graus
Rurópolis - 03/03 - Magnitude 2,3 graus
Santa Maria das Barreiras - 16/03 - Magnitude 2,7 graus
São Félix do Xingu - 12/04 - Magnitude 1,9 graus

(Do blog Ver-o-Fato, com site Pebinha de Açucar)
Reações:

0 comentários: