Postagem em destaque

Helder deve ser julgado nesta quinta-feira pelo TRE

Ministro é acusado de abuso de uso indevido dos meios de comunicação O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho (PMDB), dever...

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Vai ter greve da educação nas escolas municipais, decidiu o SINTEPP.

Nesta terça feira,09, foi o Dia D para a categoria dos profissionais da educação.  Após seis Assembleias, finalmente o SINTEPP chegou a um denominador comum sobre a deflagração de greve.   

O episódio tem semelhança com a desastrosa gestão da ex-prefeita Eliene Nunes que a princípio também disse que não iria dar aumento, mas depois não aguentando pressão concedeu 5%. A mesma estratégia será usada contra o prefeito Valmir Clímaco que também não deu reajuste.

Ao contrário da Assembleia anterior que terminou em meio a tumultos, a dessa terça foi mais tranquila. Celson Noronha, como integrante da mesa, passou os informes sobre a assembleia, leu um documento enviado pelo prefeito tentando justificar porque não iria dar nenhum reajuste.  

A sindicalista professora Lúcia disse que o prefeito só apresenta números fictícios sem justificar em documentos. A comissão do SINTEPP disse que tiveram pouco acesso às informações solicitadas à Semed, vendo falta de transparência nesse ato.  Ela reiterou que são dados tirados da cabeça dele (prefeito) e que não reflete a realidade financeira do município.

Foi dito, antes de colocar em votação a decisão da greve, de forma clara, que o SINTEPP irá para o enfrentamento por se tratar de um governo capitalista que não tem noção do valor da educação por considerar que educação seja despesa e não investimento. Celso disse em bom tom ”Não vamos nos calar, ele não vai nos amordaçar”.

Os educadores consideraram risível algumas ponderações do prefeito Valmir Clímaco para não conceder nenhum reajuste quando afirma no oficio que está pagando previdência e patronal.

Para Celso, o prefeito está fazendo uma péssima gestão, uma má administração. O sindicalista, para a imprensa deixou bem claro que os dois únicos culpados pela deflagração da greve foram o prefeito e o secretário de educação que menosprezaram a categoria se recusando a sentar para uma negociação.

Os educadores lembram que o prefeito não fala em construir escolas, mas só criar anexos sem as mínimas condições de atender estudantes, principalmente, dos bairros mais distantes incluindo os residenciais.  Celso Noronha informou a categoria na Assembleia que a comissão pediu ao prefeito e secretário uma relação nominal dos servidores da educação cedido em outros setores e a lista nunca foi enviada, reiterando ainda que todos os prefeitos negociaram com o SINTEPP, somente Itaituba foi quem propôs reajuste zero.   

Antes de votar sobre a greve, a mesa colocou em votação na assembleia proposta de mudança de data para eleição de diretor e vice-diretor das escolas Municipais para que ao invés de junho a eleição venha a ocorrer somente em novembro deste ano.  Mesmo com grande número de diretores na Assembleia por maioria foi decidido que permaneça mesmo a data de junho já que uma eventual mudança implicaria em complexas mudanças de leis o que não daria tempo.

Em seguida o professor Celso Noronha colocou em votação a deflagração da greve.

Os profissionais da educação, vigias, professores, diretores, merendeiras votaram em maioria pela deflagração da greve. Com isso o SINTEPP vai respeitar as 72 duas horas estabelecidas em Lei, após enviar oficio comunicando a decisão da categoria, ao prefeito, juiz e promotor de justiça, iniciarão de fato e de direito a greve.

Segunda feira (15) na sede do SINTEPP será formada o comando de greve e as comissões que irão conduzir o processo até que o prefeito ceda ou não numa provável negociação. A demonstração inequívoca que o prestigio político do prefeito cresce entre a categoria está em baixa foi que a Assembleia desta terça feira dia, 09/05, teve expressiva presença dos profissionais da educação lotando auditório do Sindicato.

Fonte: Nazareno Santos


Reações:

0 comentários: