sexta-feira, 13 de maio de 2016

Bispo: “Padres pedófilos têm que ser excomungados e presos”

Dom Flávio Giovenale expõe sua opinião sobre assuntos polêmicos da igreja


Difícil traçar um perfil exato de um líder religioso, principalmente em nossa região, onde o sacerdote é tido em alguns casos como uma pessoa envolta em aura de santidade. No caso do Bispo de Santarém, o que ele deixa transparecer é um carisma e objetividade que influenciam de alguma maneira seu interlocutor. No alto de seus mais de 60 anos declarados, ele demonstra juventude e dinamismo- ele faz aniversário no dia cinco de junho- mas não deixa de ser um homem comum, apesar do alto cargo que ocupa, na cúpula da igreja católica de Santarém.
O Bispo Flávio Giovenale fez à equipe do jornal O Impacto, declarações que poderiam parecer polêmicas, mas foram expostas de modo objetivo. Traçando na opinião de nossa equipe, de maneira bem subjetiva, uma personalidade marcante e sincera. Assim é o Bispo da Diocese de Santarém.
“Padre pedófilo tem que ser expulso da igreja, deixar o ministério sacerdotal, ser excomungado e tem que ser denunciado à Polícia!”, na opinião do Bispo Flávio Giovenale, da Diocese de Santarém, o padre que for pego ou denunciado por prática de pedofilia, tem que ser julgado como criminoso comum. “Tanto que aqui no Brasil já foram descobertos alguns e foram condenados”, lembrou o Bispo. “Não existe um tribunal especial para padres; pode ter para militares, para políticos, mas para padres, não, ele é um cidadão comum”, citou.
Quanto aos sacerdotes que deixam a batina e casam, como aconteceu com o padre Geffison Silva, de 32 anos, da Basílica de Nossa Senhora de Nazaré, na capital paraense, Belém, que foi acusado de tido relações sexuais com três fiéis, sendo que todas estariam grávidas e que foi afastado de suas funções, o Bispo de Santarém foi bastante claro. “Na regra da igreja católica, o padre não pode casar”, citou, esclarecendo que dessa maneira, o sacerdote tem que ter seu tempo disponível para a missão. “Um padre, por exemplo, que trabalha em Aveiro, pode ser transferido sem problemas para Belterra, Monte Dourado, Monte Alegre, porque não tem os compromissos familiares; não tem que se preocupar com os estudos dos filhos, com a esposa; e também não pode ter nenhum compromisso como funcionário público, etc.; tem que estar dedicado inteiramente à missão de evangelização”, disse o Bispo de Santarém.
IGREJA CONTRA ABORTO: Casos de crianças que nascem com microcefalia ou outras doenças degenerativas, podem ensejar ou não que seja feito o aborto. Nesse assunto, o Bispo expõe sua opinião: “Crianças que nascem com deficiência física, com Síndrome de Down e tantas outras atendidas pela APAE, tem direito de viver desde a concepção, portanto, quando ainda estão no ventre materno, A Igreja condena o aborto em qualquer situação, também quando a criança apresenta defeitos físicos ou não”, declarou Dom Flávio Giovenale.
AS MUITAS MORADAS NA CASA DO PAI: Nesse aspecto, o bispo da Diocese de Santarém, Dom Flávio Giovenale, afirmou que na missão de evangelização não existe uma regra específica que determine uma igreja “escolhida” para a missão de evangelizar, pois todos, quer sejam evangélicos, carismáticos, católicos e ortodoxos, podem caminhar juntos. Os carismáticos são um grupo dentro da igreja católica; os pentecostais fazem parte de um ramo, de um grupo de uma igreja e também são cristãos; temos que entender que somos todos cristãos, sejam ortodoxos, protestantes, luteranos, Batistas, nós católicos, pois todos são pertencentes ao modo, ao estilo pentecostal. Enfim, todos seguimos a Jesus Cristo”, exemplificou o Bispo santareno.
Dom Flávio fez um alerta: “Devemos sim, ter muito cuidado com grupos e seitas que se autodenominam de igreja, mas na prática não proclamam a Jesus Cristo, proclamam mais seus próprios interesses. Então, é mais uma seita do que um igreja, um grupo que quer se separar dos outros”, disse. Na opinião do sacerdote, estes não passam de lobos disfarçados de ovelhas.

Por: Carlos Cruz
Reações:

0 comentários: