quinta-feira, 1 de maio de 2014

O HOMEM QUE ACHOU O AVIÃO DA JOTAN CONTA A HISTÓRIA PARA O JORNALISTA WALTER AZEVEDO TERTULINO!

Jacareacanga - Mesmo contrariando o bom senso e o espirito de solidariedade humana, entretanto  em uma atitude dos familiares dos passageiros do VOO DA AGONIA, de  se intensificar buscas incessantes de seus entes queridos, com a nítida intenção de provocar estímulos naqueles que de dia e noite procuravam o avião da Jotan desaparecido, ocorreu a ideia de se premiar quem informasse a localização exata do avião desaparecido, principalmente porque muitas informações se acumulavam que uma pessoa teria visto o avião cair, aqui, la, acola, e as despesas para essas investidas para conferir essas informações quase sempre oneravam  já as combalidas finanças da empresa Jotan e familiares dos passageiros desaparecidos.
Em uma breve reunião no aeroporto algumas pessoas resolveram estabelecer através de uma cotização um premio para quem oferecesse com exatidão a informação sobre a localização, e cinco pessoas nessa conversa resolveram estabelecer o valor, e entre essas pessoas que na verdade não gostariam de ver seus nomes expostos, entretanto que revela-los se torna uma atitude justa,  alçaram o valor de 19 mil Reais, sendo um representante dos familiares, representante da Empresa Jotan, a própria Coordenadora do DSEI Cleidiane e os empresários Edvaldo e Avelar.
Nessa Roda Viva as incursões de busca por terra, água, e ar continuaram, e todas se tornaram em vão, já que apesar da área onde se encontraria no dia 22 o avião, ter tido a entrada de uma equipe pela vicinal  até a região de São Sebastião, a referida área nunca esteve contida na zona previamente delimitada para a efetivação das buscas. Não era uma área quente! A equipe composta de poucos voluntários que fez a entrada na vicinal passaria a 400 metros de onde o avião esta  caído com seus ocupantes no seu interior.

Neste cenário, da Transamazônica Km 23 sentido Jacareacanga Itaituba,  12 km vicinal a dentro, se estabelece em seu lote, o cidadão Fausto, misto de lavrador e garimpeiro, que buscava terras baixas em seu lote para fazer sua casa às proximidades de um córrego, ja que seu casebre estava a beira da vicinal em um local montanhoso. ... e saindo de sua casa para encontrar o local, perambulando mata á dentro  eis que pelas entranhas da floresta teve uma visão que deteve-se espantado, pois pareceu-lhe em seu entendimento que aquela enormidade de coisas brancas engatadas nas arvores mostravam-se semelhantes a roupas brancas de crianças estendidas ao sol, e depois de alguns minutos prescrutando aquela visão deparou-se estático com uma cena que até hoje crê que esteja sonhando... um avião enterrado só com o rabo de fora (sic) e viu as letras que anotou em sua memoria P...R, um traço um L, e o resto estava enterrado - Confessou. - Disse que ja sabia do desaparecimento de um avião mas não acreditou que fosse aquele, e mesmo estado a pouco menos de um km de sua casa ali na vicinal, não ouviu o avião voando ou caindo por la, pois  estava garimpando sozinho pras brenhas do São Sebastião. Ato seguido disse que varou para a estrada Transamazônica, pegando carona no carro dos colonos, e foi direto para informar aos familiares, só que passou em uma casa e viu uns policiais militares que pediu orientação para que o levassem a uma autoridade ou superior deles para oferecer uma informação, e depois da chegada de  um militar mais graduado disse que sabia onde estava o avião, ao que de inicio não acreditaram pois esse tipo de informação se vulgarizou, e ao informar parte do prefixo que viu, o conduziram naquele final de tarde ao local, disse que os policiais fotografaram somente e tiraram os pontos de coordenadas geográficas e retornaram  pela noite chegando em Jacareacanga ja perto das 11 horas. Perguntei-lhe se ao se deparar com o avião viu em seu interior corpos, disse-me que não deu para se aproximar pois o terreno era alagado e não muito fácil de se aproximar.
Contou Fausto, que no outro dia estando na Permanência da Policia Civil registrando a informação, chegou-se até ele o Senhor Edvaldo Primavera que ao se identificar como a pessoa que achou o avião foi orientado a receber a recompensa devida o que ocorreu no mesmo dia  (23) com um deposito de 19.000,00 efetuado em sua conta corrente.
A primeira vez que travei conhecimento com o Fausto foi quando me dirigindo de moto pela estrada Transamazônica no km 23, ao ver um homem jogado no meio da rodovia contorcendo-se em dor vi que se tratava de um homem que talvez tivesse sido atropelado e ao socorre-lo disse-me que estava vindo de seu lote e andando pelos baixões uma cobra Jararaca o  picou e estava tentando socorro e sabia que sem forças para andar de tanta dor e seus membros se prendendo alguém iria vê-lo jogado na estrada e iria ter que lhe socorrer, e foi isso que aconteceu. O coloquei na moto na ocasião segurando um pequeno saco que presumi conter materiais pessoais, se segurou em mim, gritando de dor que pensei que não chegasse vivo ao hospital; quando cheguei me deu seus pertences no saco, gritei pedindo socorro,  e que foi logo atendido por um medico, que indagou-lhe que cobra foi que picou o senhor? e ele disse: Acho que foi jararaca, ta  na socola na  mão do seu Walter... Foram buscar o saco com a cobra do outro lado do muro.

Conversei muito com Fausto que insiste que tudo parece-lhe um sonho, e indagado o que fez com o dinheiro, disse que está guardada no banco e ja está reformando sua pequena casa no Bairro de São Francisco e que irá comprar equipamentos para fazer uma padaria... Eu to ficando velho e na minha terra é uma região que tem muitas cobras, depois daquela vez que o senhor me trouxe, que não foi a primeira vez que cobra me ofendeu....eu já fui ofendido por outra e quase morri!
Reações:

0 comentários: