Postagem em destaque

Helder deve ser julgado nesta quinta-feira pelo TRE

Ministro é acusado de abuso de uso indevido dos meios de comunicação O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho (PMDB), dever...

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Ex-prefeito conhecido por pé de boto, comanda matança no Pará


acusado,prefeito pé de boto despachando com Simão Jatene seu aliado politico

DIÁRIO teve acesso à denúncia do MPE ao TJE que pede prisão de ?Pé de Boto? e outros responsáveis po A existência de vários grupos de extermínio, atuando em Belém e em algumas cidades do interior do Pará, com a participação direta de militares e empresários, aponta que o índice de violência no Estado, durante a gestão do governador tucano Simão Jatene, fugiu completamente ao controle das autoridades da área de segurança pública.

 A facilidade e a impunidade com que esses grupos atuam – como ocorreu do município de Igarapé-Mari, onde dezenas de pessoas foram assassinadas sob o comando de ninguém menos do que o próprio prefeito, Ailson Santa Maria do Amaral, o “Pé de Boto”, seu sócio na matança, o secretário de Obras, Ruzol Gonçalves Neto, e o filho deste, Rafael da Silva Neto – deixam a população aterrorizada, porque ela sabe que esses criminosos apostam na influência política e no trabalho de bons advogados, que sabem explorar a morosidade e as brechas judiciais, para continuar atuando sem problemas, até mesmo de dentro das cadeias, inclusive se utilizando de veículos oficiais. 

O que o leitor vai ter acesso, a partir de agora, é à denúncia criminal enviada pelo procurador de Justiça Nelson Medrado, do Núcleo de Combate à Improbidade Administrativa e Corrupção, do Ministério Público Estadual, ao desembargador Rômulo Nunes, que foi o relator, nas Câmaras Criminais Reunidas do Tribunal de Justiça, do pedido de conversão de prisões temporárias para prisões preventivas dos envolvidos na chacina em Igarapé-Miri.

 O desembargador acatou o pedido do MP, mas os advogados dos acusados conseguiram “habeas-corpus” em Brasília. Resultado: “Pé de Boto”, Ruzol e o filho dele, Rafael, além dos militares executores das mortes, estão livres, leves e soltos.

 O caso está sob “segredo de justiça”, mas o DIÁRIO teve acesso aos relatos de sobreviventes de atentados e de parentes dos assassinados, além das conversas telefônicas – interceptadas por ordem judicial – entre o prefeito e a organização criminosa que ele comandava, revelando o método frio, cruel e cínico implantado em Igarapé-Miri contra quem ousasse desafiar “Pé de Boto” e seus comparsas. 

 COM JATENE - O agora ex-prefeito, afastado do cargo depois que seus crimes vieram à tona, era aliado político do governador Simão Jatene e sempre foi por ele elogiado pela gestão que fazia no município. Uma gestão, aliás, pródiga em casos de corrupção, nepotismo, enriquecimento pessoal e homicídios.

 O MP é contra o sigilo processual, porque entende que a sociedade precisa acompanhar e ter acesso às informações sobre o caso, que até hoje traumatiza a população de Igarapé-Miri. 

O inquérito policial foi instaurado a partir de representação feita por M.J.P.C, residente em Igarapé-Miri. Ele foi vítima de um atentado naquela cidade e apontou policiais militares como autores, afirmando que eles cumpriam ordens do secretário de Obras, Ruzol Gonçalves Neto, e do prefeito “Pé de Boto”.

 Para Medrado, a organização criminosa chefiada pelo prefeito e integrada pelo irmão dele, Amilton Nazareno Santa Maria do Amaral, Ruzol e seu filho, Rafael, sequestrava, matava pessoas e era de “alta periculosidade”. As atividades da quadrilha começaram sua macabra existência quando “Pé de Boto” ainda era candidato ao cargo de prefeito, mas ampliou sua conduta criminosa depois que foi eleito. 

Grupo de extermínio almejava ‘limpar’ a cidade Os fatos que deram suporte à ação penal do MP foram apurados no decorrer da investigação conhecida por “Operação Falso Patuá”. M.J.P.C declarou no depoimento à polícia que o autor da tentativa de homicídio contra ele foram Amilton, irmão de ‘Pé de Boto”, Rafael, os soldados da PM Silva e Ivan, além de um terceiro que identificou como cabo Hélio.

 O soldado Ivan é irmão do cabo Hélio. A vítima informou que os suspeitos desceram de uma camionete L200 preta e de um Celta Prata, com metralhadoras nas mãos, mas o cabo Hélio foi quem deu entre seis e sete tiros em sua direção.

 “Os comentários em Igarapé-Miri eram de que o prefeito, com o extermínio de pessoas, pretendia reduzir a violência no município, uma das promessas de campanha eleitoral". Cabo Hélio era segurança do prefeito.

 O sobrevivente conta que fazia parte de uma lista de nomes de jovens que deveriam ser mortos no município pelo “bem da segurança pública”, de acordo com declarações do prefeito e dos assassinos por ele comandados. M.J.PC, ainda no depoimento, apontou alguns casos de pessoas que já teriam sido mortas por ação da organização criminosa. 

Os nomes são os seguintes: Ledilson Farias de Souza, vulgo “Maluco da Calça”, que morava na rua Lauro Sodré. Ele foi morto com disparos de arma de fogo pelo cabo Hélio e seu corpo foi encontrado jogado no ramal Mocajuteua, no sítio do secretário Ruzol; um homem de prenome Manoel; Mauro, vulgo “Rato d’Água”, posteriormente identificado como Mauro de Jesus Corrêa de Souza; Alisson, vulgo “Dente” ; Marco, vulgo “Cacola”; Denildo, vulgo “Macaco”; Alexandre, vulgo “Cara de Gato”; Deones Maciel Charles, o “Maguila”; Francinei Correia da Conceição, o “Prateado”; “Buim”; “Boioioca”; Hugo Vinicius Alves da Silva, o “Hugo”, morto a tiros pelo soldado da Polícia Militar Matias; e ainda uma pessoa não identificada e encontrada morta na estrada de Igarapé-Miri, no ramal Mucajateua.

 LISTA O sobrevivente relatou que o secretário Ruzol era o responsável pela confecção da lista dos que deveriam morrer, juntamente com seus filhos Rafael e “Gordo”, que frequentemente andavam armados. O prefeito é padrinho de batismo de Rafael. Diante das graves denúncias relatadas por M.J.P.C, a polícia fez o cruzamento de informações entre as mortes citadas no depoimento e os relatórios oficiais Secretaria de Segurança Pública do Pará, principalmente o relatório da Secretaria Adjunta de Inteligência e Análise Criminal (Siac), juntado ao processo.

 O relatório da Siac, que tem como referência o período de 2010 a agosto de 2013, aponta um aumento, entre 2011 e 2012, de 50% no número de homicídios, e, somente no período de 2012 a 2013 - início da gestão de “Pé de Boto”, um acréscimo de 25% nas mortes.

 Os números do relatório para os crimes em Igarapé-Miri apontam ainda que 20% dos homicídios foram perpetrados por um indivíduo com arma de fogo, caminhando a pé pela via pública, enquanto outros 75% das mortes ocorreram por uso de arma de fogo. Outro detalhe: 95% das vítimas eram do sexo masculino e 60% tinha até 34 anos.

 O cenário deixa evidente o extermínio de jovens naquele município, sendo que 55% dos mortos possuíam antecedentes criminais, informação que converge com a suposta intenção do prefeito de “limpar” a cidade. 

Os números, segundo o relatório do Siac, fizeram Igarapé-Miri subir para o 4º lugar no ranking da violência da 4ª Região Integrada de Segurança Pública, ficando abaixo apenas de Moju, Abaetetuba e Barcarena. A diferença para o primeiro lugar foi de três mortes, embora Igarapé-Miri seja menor que as três outras cidades. 

‘É para matar logo uns cinquenta’, diz secretário O relatório de Inteligência da Divisão de Homicídios da Policia Civil, sobre as interceptações telefônicas da “Operação Blindagem” - durante apuração para identificar os autores do atentado contra quatro advogados na estrada da Alça Viária, dentre estes Alessandra Souza Pereira, mulher do delegado Eder Mauro –, comprovou que o objetivo era matar o advogado Eduardo dos Santos Pereira, que voltava de um julgamento em Barcarena depois de fazer a defesa de um réu acusado de ter morto um policial militar.

 A investigação policial descobriu que o veículo utilizado no atentado estava escondido na propriedade do secretário municipal de infraestrutura de Igarapé -Miri, Ruzol Gonçalves Neto, em Igarapé-Miri, o que demonstra o envolvimento de militares no crime. Na maioria das conversas gravadas com autorização da Justiça, Ruzol é questionado pelo prefeito “Pé de Boto” sobre a segurança na cidade de Igarapé -Miri. 

O prefeito quer saber sobre arrombamentos, furtos e outros tipos de crime. Ele também se comunica com muita frequência com policiais da cidad, inclusive chega a determinar que policiais capturem dois homens em uma determinada localidade, no caso “Beré” e “Mial” ou “Bial”. O secretário de Obras Ruzol, em conversa com interlocutor não identificado, afirma ter determinado um ataque a bairros da cidade, contra pessoas tachadas pelo prefeito de “marginais e vagabundos”.

 Em uma conversa que dura 81 segundos, o prefeito determina que Ruzol vá com eles (PMs) para “ataque na galera da Matinha, e dar uma arrebentada”. Em outro diálogo, que dura 137 segundos, Ruzol comenta com Elielson que falou com “Samarone”. Elielson diz que o sargento Moraes está chegando. Ruzol ordena que é para ele ir falar com ele. E afirma que ia “mandar matar logo uns 50, que não têm jeito”.

 INFLUÊNCIAS Outra conversa, com 99 segundos, é entre Ruzol e um homem não identificado, mas que a polícia diz ser o prefeito “Pé de Boto”. Ruzol diz que o “Barrasco” já está em cana e que mandou os pitbulls (PMs) segurarem ele, que ele “vai ter que entregar a bomba que levou do colégio e a balança que levou de um açougue lá em frente”.

 Essas chamadas, na avaliação policial, demonstram que Ruzol e o prefeito têm influência sobre os PMs que atuam em Igarapé-Miri, determinando a realização de prisões e de ações policiais, fatos comprovados, inclusive, pelas investigações da Divisão de Homicídios. Nesse tipo de crime, com participação de policiais militares destacados para Igarapé-Miri, fica evidente que a população do município ficou inibida de falar o que sabia, pois aqueles que eram responsáveis por assegurar a lei e a ordem eram os mesmos que a estavam descumprindo.

 Depois disso, o próprio prefeito determina que Ruzol arranje entorpecentes para imputar a prática de crime de tráfico a Marcelo Matos dos Santos para que ele seja autuado em flagrante. A investigação policial constatou que o autor do flagrante forjado foi o policial militar Edson Carlos Souza, que afirmou na polícia ter ido atender uma ocorrência na Vila Maiuatá, onde flagrou Marcelo com a quantidade de 14 petecas de cocaína.

 Os PMs Dilson Harlem Nascimento Nunes e Rivadávia Alves dos Santos, ainda segundo a investigação, participaram da ação que resultou no flagrante forjado. Marcelo disse ter sido preso quando bebia no cais da cidade e que, no momento da prisão, os militares já estavam de posse das petecas de cocaína para forjar o flagrante.

 Ele ficou preso durante 3 meses e 15 dias. Em depoimento aos policiais que investigam as atividades criminosas do prefeito e de sua quadrilha, Marcelo identificou alguns matadores que agiam em Igarapé-Miri, cumprindo ordens do prefeito, destacando os militares “Blindado” e “Cabão”, além de “Boi”. Também declarou que outras pessoas presas foram vítimas de flagrantes montados. O cabo Edson, segurança do prefeito, estava envolvido na compra e venda de armas de fogo.

 PEDIDO DE CPI Na quarta-feira passada, da tribuna da Assembleia Legislativa, o deputado Edmilson Rodrigues (PSOL) cobrou do presidente da casa, Márcio Miranda, a imediata instalação da CPI das Milícias. Miranda deferiu o pedido, mas os trabalhos só irão começar depois que os partidos com assento na Alepa indicarem os membros da CPI.

 Edmilson, as cerca de 100 entidades e movimentos sociais do Pará, além de familiares das vítimas, estão incomodados com a falta de informações sobre a chacina de 10 pessoas, na madrugada do dia 5 de novembro passado, em vários bairros de Belém, numa onda de execuções sumárias após a morte de Antonio Carlos Figueiredo, o “cabo Pet”, da Rotam. “Há quase um mês, o crime continua sem solução, apesar de tantas mortes, apesar de todo o aparato de inteligência da segurança pública. Talvez falte vontade política”, reclamou Edmilson. Na tribuna, ele lembrou ter conseguido as 14 assinaturas de deputados ao requerimento de CPI, conforme exige o regimento interno da Alepa, e de ter formalizado o pedido de instalação junto à mesa diretora da Casa, no último dia 25. Passados oito dias, nenhuma providência ainda havia sido tomada para a instalação.

Edmilson leu trechos do processo a que responde o prefeito, Ailson Amaral, o “Pé de Boto”, que esteve preso, acusado de chefiar uma milícia que mandava matar, prender e torturar pessoas do município. “Recebi de uma fonte o processo que corre em segredo de justiça. São muitas horas de gravação que confirmam a existência de milícia na Região Tocantina. Daí a importância da CPI. Se o desembargador (Romulo Nunes) afirma (no processo) que a milícia existe, não temos por que duvidar”, cobrou o psolista. Segundo o deputado, qualquer atitude que destoe, postergue ou deturpe a adoção das medidas necessárias para instalação da CPI será “ato atentatório ao princípio da legalidade e da moralidade pública, ensejando medidas reativas não só por parte dos deputados signatários do requerimento de criação da CPI como também por parte de toda a sociedade paraense vítima direta e imediata da atuação dos grupos que serão objetos da investigação”. 

QUEM ERA QUEM-  A organização criminosa que se valia de policiais militares da ativa – portanto, agentes de Estado que deveriam garantir a segurança da população e não assassinar pessoas para agradar a um político ávido pelo poder – era composta por 12 integrantes, segundo denúncia do Ministério Público:

 1 – Ailson Santa Maria do Amaral, vulgo “Pé-de-Boto”, prefeito municipal de Igarapé-Miri e chefe da quadrilha 2 – Amilton Nazareno Santa Maria do Amaral, irmão de “Pé de Boto” 3 – Ruzol Gonçalves Neto, vulgo “Ruzol” ou “Ruzo”, secretário municipal de Obras e Infraestrutura de Igarapé-Miri 4 – Rafael da Silva Neto, filho de Ruzol 5 – Paulo Sérgio Fortes Fonseca, vulgo “Cabão”, policial militar 6 – Marcelo Matias de Jesus, vulgo “Matias”, policial militar 7 – Silvio André Alves de Souza, vulgo “CB Silvio” ou “Beiçudo”, policial militar 8 – Marco Afonso Muniz Palheta, vulgo “Cabo Muniz”, policial militar 9 – Rivadávia Alves dos Santos, vulgo “Sargento Rivadávia”, policial militar 10 – Dilson Harlen Nascimento Nunes, vulgo “Cabo Dilson”, policial militar 11 – Edson Carlos Souza, policial militar 12 – Everaldo Lobato Vinagre, vulgo “Boi” 

(Fonte- Diário do Pará)

Reações:

0 comentários: