quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

OPERAÇÃO ACARAJÉ APROXIMA PROPINA DO PSDB

Nova etapa da Lava Jato colocou o nome de Armando Tripodi, ex-chefe de gabinete do ex-presidente da Petrobras Sérgio Gabrielli, na alça de mira das investigações; ele é suspeito de ter orientado o ex-diretor de Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa a repassar R$ 10 milhões para o então presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), falecido em 2014, para evitar que a CPI da Petrobras, instalada em 2009, avançasse; Costa já havia admitido que os valores teriam sido empregados em campanhas eleitorais do PSDB
24 DE FEVEREIRO DE 2016 ÀS 08:29
Pernambuco 247 - A Operação Acarajé, como foi batizada a ação da Polícia Federal na 23ª fase da Lava Jato colocou o nome de Armando Tripodi, ex-chefe de gabinete do ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli, na alça de mira. Ele é suspeito de ter orientado o ex-diretor de Abastecimento da Estatal Paulo Roberto Costa a repassar R$ 10 milhões em recursos desviados da companhia pra o então presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), falecido em 2014.
O nome de Tripodi já havia aparecido no depoimento de delação premiada de Paulo Roberto que admitiu os repasses e que, segundo ele, teriam sido empregados em campanhas eleitorais do PSDB. Os recursos a Guerra teriam sido repassados para evitar que a CPI da Petrobras, instalada em 2009, avançasse.
Segundo a Polícia Federal, existem fortes indícios da relação entre Trípodi e o lobista Zwi Skornicki, apontado como operador de propinas do esquema investigado pela Operação Acarajé, que tem como alvo central o marqueteiro João Santana e sua mulher, Monica Regina Moura. Santana, que foi marqueteiro das três últimas campanhas presidenciais do PT foi preso nesta terça-feira (23). Skornicki também foi preso pela Polícia Federal. 
A ligação entre Trípodi e Scornicki, bem como a suspeita de repasses para o PSDB, já havia sido levantada pela delação de Paulo Roberto Costa. Segundo ele, o então presidente do PSDB o teria procurado exigindo R$ 10 milhões para evitar que uma CPI investigasse irregularidades nas obras da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. A refinaria pernambucana era uma das sete obras suspeitas da estatal que justificaram o pedido de uma abertura de CPI naquele ano.
Guerra teria sugerido a Paulo Roberto que procurasse Trípodi para "uma conversa". Ainda segundo o delator, o parlamentar teria dito que o dinheiro seria usado para irrigar campanhas eleitorais do PSDB. Em 2010, Guerra foi o coordenador oficial da campanha presidencial do tucano José Serra.

Na época em que o caso veio à tona, tanto o PSDB como Trípodi negaram o envolvimento nos repasses para o senador Sérgio Guerra.

Nenhum comentário: