segunda-feira, 4 de abril de 2016

Valmir e Eliene duelam pelo DEM e PMN

Quem vai ganhar essa queda de braço?


Jota Parente - A janela para que os vereadores possam trocar de partido está para se fechar, mas, a disputa para reforçar os grupos políticos continua muito acirrada entre os três pré-candidatos a prefeito de Itaituba. Contudo, há outra disputa em curso, que é a briga para ver quem vai ficar com alguns partidos, que embora pareçam já ter “dono”, podem mudar de lado.
Os casos mais acentuados são o DEM e o PMN, que no momento se definem como partidos que apoiarão a candidatura do ex-prefeito Valmir Climaco, que tinha tudo para ter quase certeza de que esse partido ficaria mesmo com ele, caso não tivesse acontecido uma mudança, não apenas pela troca do diretório, mas, sobretudo uma mudança de rumo.
O ex-deputado federal Lira Maia, de Santarém, até algumas semanas atrás era quem mandava no DEM no Pará, do qual era o presidente. Porém, Lira Maia vem enfrentando problemas de saúde que tem limitado muito sua atuação política, depois que passou por uma cirurgia para tentar resolver um problema em uma das pernas, que fazia com que ele mancasse quando caminhava, pois uma era um pouco maior do que a outra. Foi feito um enxerto ósseo que apresentou rejeição e ele adoeceu bastante por conta disso, passando a ter muita dificuldade para caminhar.
Não foi apenas pelo problema de saúde de Maia, mas, sobretudo por interesse do grupo político do governador Simão Jatene que o DEM mudou de direção. A presidência passou para o deputado federal Hélio Leite, ex-prefeito de Castanhal, que é pré-candidato a prefeito daquele município, com grande chance de se eleger.
Com Lira Maia fora do páreo, ficou complicado para o ex-prefeito Valmir Climaco segurar o DEM em Itaituba, partido que está sendo cortejado pela prefeita Eliene Nunes, que conta como certa sua participação em sua campanha visando à reeleição. De quebra, o presidente da Assembleia Legislativa, Márcio Miranda, é do DEM e muito próximo a Jatene. E convenhamos, por tudo que foi dito antes, não precisa ser grande conhecedor de política para deduzir que diante desse quadro, parece que Eliene tem bem mais chances de ficar com o DEM do que Valmir.
O PMN é o outro ponto da disputa entre Valmir e Eliene, com algumas diferenças do DEM. Uma delas é que o partido não elegeu nenhum deputado, sendo seu presidente estadual, Zé Francisco, o primeiro suplente da coligação que elegeu Hilton Aguiar. As chances de ele assumir algum dia na atual legislatura são próximas a zero.
Tendo o médico e ex-prefeito Benigno Olazar Reges como eterno presidente de honra, na prática, quem tem mantido o partido em funcionamento em Itaituba tem sido a senhora Luzimar Santos. Questionada sobre com qual candidato majoritário o PMN vai compor, ela respondeu que a tendência é ir com Valmir, porque a maioria dos pré-candidatos dessa agremiação estão alinhados com o ex-prefeito. Ela, por exemplo, com ou sem o PMN irá com ele e isso não tem chance de mudar.
Disse Luzimar ao Jornal do Comércio, que quando Zé Francisco esteve aqui no final do ano passado, foi perguntado a ele como iria caminhar o PMN na eleição municipal deste ano; o presidente respondeu que a decisão seria do diretório municipal. Não haveria interferência do diretório estadual. Há poucas semanas a prefeita Eliene Nunes esteve reunida com Zé Francisco, em Belém, tentando assumir o comando do partido. Ele teria dito a ela, que o PMN ficaria muito honrado de fazer uma composição com ela, mas, que ela teria que conversar com filiados de Itaituba. Segundo Luzimar, ela voltou a falar com o presidente, que ratificou sua posição anterior: quem decide é o diretório local.
O Jornal do Comércio teve acesso a uma informação que embrulha esse jogo e torna a queda de braço ainda mais interessante: Zé Francisco tem uma assessoria no governo do Estado, que lhe rende um salário mensal de R$ 12 mil. Se for isso mesmo, será que ele vai querer largar o osso? Apesar dessa situação de ligação com o governo, o presidente do PMN é candidatíssimo a deputado estadual na eleição de 2018. Será que ele vai correr o risco de perder sua base política, pois filiados que já definiram que irão com Valmir, já mandaram dizer que se o PMN for com Eliene, eles estarão fora do barco do presidente estadual.
           Em se tratando da disputa local, quem tem mais a perder é Valmir, por causa de definições que já existem sobre pré-candidatos a vereador que estão fechados com ele e que são filiados ao DEM ou ao PMN. Resta esperar se ele vai pagar para ver o que acontecerá em poucos dias ou se vai ser prudente o suficiente para acomodar seus pré-candidatos a vereador em outras siglas. É uma disputa bem interessante de bastidores. Vai ganhar quem souber mexer melhor as pedras.

********Essa matéria está na edição impressa do Jornal do Comércio, número 212, que está circulando desde o final da semana que passou
Reações:

0 comentários: