Postagem em destaque

Helder deve ser julgado nesta quinta-feira pelo TRE

Ministro é acusado de abuso de uso indevido dos meios de comunicação O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho (PMDB), dever...

quinta-feira, 28 de julho de 2016

WhatsApp pode ser bloqueado no Brasil

O WhatsApp ode ser novamente bloqueado no Brasil nos próximos dias. Isso mesmo. O Ministério Público Federal no Amazonas (MPF/AM) informou na última quarta-feira (27) que obteve na Justiça Federal o bloqueio de 38 milhões de reais do Facebook do Brasil por descumprir decisão que obrigava a empresa a fornecer dados cadastrais e quebrar o sigilo de mensagens no WhatsApp para fins de investigação. Segundo o MPF/AM, o valor bloqueado corresponde a multas individuais de 1 milhão de reais estipuladas para cada dia de descumprimento da decisão judicial.
Na decisão, a Justiça rejeitou argumentos do Facebook, dono do WhatsApp, de que os conteúdos relacionados aos usuários estão sob responsabilidade dos operadores da empresa nos Estados Unidos e na Irlanda, sendo necessário procedimento de cooperação internacional para cumprimento da decisão.
O procurador da República Alexandre Jabur, autor do pedido, ressaltou que a medida é um importante instrumento para buscar a aplicação das leis brasileiras em casos envolvendo pedido de acesso a dados sob a guarda de empresas estrangeiras antes de recorrer diretamente ao bloqueio do próprio serviço como medida inicial.
Como a rede social de Mark Zuckerberg já havia argumentado em outras ocasiões, o WhatsApp não tem controle sobre as informações requeridas pela Justiça brasileira uma vez que o mensageiro está sob responsabilidade das operações da empresa nos Estados Unidos e na Irlanda. Entretanto, para o MPF/AM, a postura fere acordos de cooperação internacional e dois artigos do Marco Civil da Internet (Lei 12.965/14), segundo os quais as companhias estrangeiras devem se submeter à legislação local para atuar em nosso país.
O Marco civil e o bloqueio
Segundo os artigos 10 e 11 do Marco Civil da Internet, é possível a ocorrência de "brechas" no direito à proteção de registro de dados pessoais e conteúdo – como mensagens e perfis – de comunicações privadas através da grande rede em caso de ordem judicial. Nessas situações, a empresa provedora responsável pela guarda dessas informações é obrigada a fornecer os registros solicitados à Justiça. É lógico que a lei estabelece uma série de requisitos para admitir esse pedido, como a existência de fortes indícios de crimes.
Antes de aplicar as multas previstas no Marco Civil da Internet, o Ministério Público faz uma advertência e tentativa de obter os dados necessário para a investigação. Caso não haja cumprimento do acordo, é aplicada uma multa individual. Se esse valor for se acumulando e a empresa em questão ainda não colaborar, pode se pedir o bloqueio das contas para pagar o que se deve, o que é exatamente o que está acontecendo com o Facebook. O próximo passo, o que pode acontecer em breve se a rede social não colaborar com a Justiça, será a suspensão temporária do serviço.

(Com informações do portal UOL e da Tecmundo)
Reações:

0 comentários: