segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Atirador mata embaixador russo em galeria de arte na Turquia

O embaixador russo em Ancara, Andrei Karlov, morreu após ser baleado por um atirador em uma galeria de arte na capital turca nesta segunda-feira (19).

A chancelaria de Moscou confirmou o incidente. Segundo a mídia turca, o atirador feriu outras três pessoas além do diplomata antes de ser morto pela polícia no local. Segundo autoridades turcas, o atirador entrou na galeria alegando ser policial.
Até agora, nenhuma organização assumiu a autoria do atentado.
Um fotógrafo da agência de notícias Associated Press que testemunhou o incidente disse que Karlov, 62, fazia um discurso quando um homem usando terno e gravata gritou “Allahu Akbar” (“Deus é maior”, em árabe) e disparou oito tiros.
Algumas testemunhas do ataque disseram que o atirador gritou “Aleppo”, mas a informação não foi confirmada pelas autoridades. A Rússia deu apoio ao regime da Síria em sua campanha para expulsar rebeldes armados da cidade de Aleppo.
A RIA, agência de notícias estatal russa, informou que a segurança ao redor da Embaixada da Rússia em Ancara foi reforçada após o incidente.
A Organização das Nações Unidas condenou o ataque.
Karlov tinha 62 anos e era diplomata de carreira. Desde 2013, ele ocupava o cargo de embaixador na Turquia e, nas últimas semanas, participou das negociações com a Turquia que levaram à retirada de civis e rebeldes das áreas cercadas pelo regime sírio em Aleppo.
ATRITOS
A morte do embaixador pode agravar os delicados laços diplomáticos entre Rússia e Turquia. Os países haviam se reaproximado, após um período de estranhamento, mas ainda defendem posições opostas no conflito sírio.
No contexto da guerra civil na Síria, a Rússia apoia o regime de Bashar al-Assad, enquanto a Turquia apoia rebeldes que tentam derrubar o ditador desde março de 2011.
A fronteira entre a Turquia e a Síria foi especialmente importante para a passagem de militantes armados, durante os últimos anos, como os membros da organização terrorista Estado Islâmico.
O atrito entre os países teve seu ápice em 2015, quando a Turquia abateu um jato russo, acusando o país de ter violado seu espaço aéreo. Moscou negou a invasão.
A morte do embaixador ocorre, ademais, na véspera de uma reunião entre os chanceleres da Rússia, do Irã e da Turquia em Moscou para discutir a situação síria.
Nos últimos meses, os dois países vêm buscando normalizar suas relações. Em outubro, eles firmaram um acordo que prevê a cooperação na construção de um gasoduto submarino.

Fonte: Folha de São Paulo

Nenhum comentário: